Contada por Miro

O Grupo Escoteiro Príncipe de Joinville tem uma rica história para contar, com mais de 40 anos de contínua atividade. Sua fundação aconteceu no dia 2 de setembro de 1967, por iniciativa do Professor Paulo dos Reis e com o efetivo apoio do Prefeito Municipal Wilson Nilson Bender.

O Chefe Paulo dos Reis, que em 1967 já tinha mais de dez anos de atividade no Movimento Escoteiro, contava que na época estava afastado do trabalho em Grupo Escoteiro, dedicando-se somente ao trabalho de coordenação nã UEB e direção de cursos, quando a União dos Escoteiros do Brasil determinou que todos os seus dirigentes deveriam estar ligados a base, ou seja, trabalhando em Grupos Escoteiros.

Este fato foi o motivador que levou Chefe Paulo dos Reis a procurar o Prefeito Nilson Bender, e decidirem pela formação de um Grupo Escoteiro patrocinado pela Prefeitura Municipal de Joinville, que receberia o nome de Grupo Escoteiro “Príncipe de Joinville”, e com seu Lenço nas cores e com o emblema da Bandeira do Município.

Assim começaram os trabalho de reunir jovens, e o ato de fundação do Grupo Escoteiro foi marcado pelas primeiras Promessas de membros juvenis e adultos. Naquela ocasião vários jovens fizeram a promessa escoteira, dentre eles Horst Dieter Ilg, Vilmar Harger, Cláudio Hang, Miltinho, Sergio Salfer, assim como o primeiro Chefe de Tropa e seus Assistente, respectivamente Chefe Roberto Miranda e Chefe Nando.

Logo em seguida abriu-se a primeira Alcatéia do Grupo, dirigida pela Chefe Carmen Miranda (esposa do Chefe Roberto Miranda), e com as assistentes Mara Selonke, Mara Koneski e Léa Miranda.

O Grupo Escoteiro teve como primeira sede uma sala nas dependências da Prefeitura Municipal de Joinville, que fazia frente para a Rua Pe. Carlos e fundos para a entrada do então “Galpão da Catedral”, com acesso pela Travessa São José (hoje Av. JK). Quando terminou o mandato do Prefeito Bender, sem continuidade no apoio, a Tropa Escoteira mudou-se para a Rua Dr. Roberto Kock, em um terreno emprestado, onde havia uma casa de madeira que servira, até então, para o Distrito Bandeirante que havia encerrado suas atividades. A Alcatéia foi deslocada para uma pequena casa na entrada do “Galpão da Catedral”, que havia sido construída para que o IBGE coordenasse na cidade o recenseamento que ocorreu no começo dos anos 70.

Quando essas sedes ficaram sem condições de uso, em 1974 e 1975, a Tropa Escoteiro usou, durante um tempo, as instalações da Associação Catarinense de Ensino, e a Alcatéia um espaço no Colégio dos Santos Anjos. Em 1976 o Grupo Escoteiro mudou-se para o seu atual endereço, na Rua Corupá, que foi doado pelo Prefeito Pedro Ivo Campos, e onde, aos poucos e com o esforço de muitos, foram construídas as instalações que hoje possuímos.

A primeira Tropa Sênior surgiu no ano de 1972, com a fundação das Patrulha Kontik e Relâmpago, que funcionaram  ligadas a Tropa Escoteira. A Kontik teve vida curta, mas a “Relâmpago” funcionou até início de 1974, quando todos os membros da patrulha, com idade máxima de 17 anos, assumiram a chefia da Tropa Escoteira para mantê-la funcionando. Mais tarde foram fundadas as patrulhas Sioux e Xavantes, sendo que, num momento posterior, a denominação Sioux passou a ser usada pela Tropa Sênior Mista.

Uma das marcas do “Príncipe de Joinville”, desde sua fundação, foi sempre a qualificação de seus escotistas, seja pela seleção ou pelo empenho em fazer cursos, que levou o Grupo a oferecer muitos de seus membros para ocupar funções em nível Regional e Nacional, e tornar-se normal a conquista da Insígnia de Madeira. Aliás, a primeira mulher a conquistar a Insígnia de Madeira em Santa Catarina foi a Chefe Maria Terezinha, do nosso Grupo Escoteiro.

Outra característica do Grupo Escoeiro Príncipe de Joinville é a participação em grandes eventos, além dos eventos distritais e regionais. Logo após sua fundação o Grupo levou duas patrulhas para o AGP - Acampamento Geral de Patrulha, realizado em 1969 no Rio de Janeiro. Foi nessa ocasião que muitos chefes de outros Grupos manifestaram admiração e respeito pela educação e eficiência dos jovens do "Princípe", para orgulho do Chefe Paulo dos Reis. Aliás, essa qualidade de nossos jovens se mantém ao longo da história. Nesta mesma época o "Principe" participou do Acantonamento Regional de Lobinhos realizado no Rio Grande do Sul. Na sequencia nosso Grupo esteve presente em todos os Acampamentos Regionais de Santa Catarina e nos vários Ajuris Nacionais; no ANEI - Acampamento Nacional Escoteiro da Integração, em Caxias do Sul - RS em 1975; no I Jamboree Sub-Regional do Paraguai, em Assuncão, em 1976; nos vários Ajuris Nacionais; nos Jamborees Panamericanos realizados na Bolívia, Guatemala, Brasil e Argentina, respectivamente em 1993, 1997, 2001 e 2005; no I, II, III e IV Jamborees Nacionais, respectivamente realizados em 1989 em Navegantes - SC, 2003 em Caucaia - CE, em 2006 em Brasília - DF, e 2009 em Foz do Iguaçú; e nos Jamborees Mundiais de 1999 no Chile e 2007 na Inglaterra.

Hoje o Grupo Escoteiro Príncipe de Joinville é uma instituição consolidada, com um efetivo em torno de 150 membros, e que consegue manter um corpo de adultos voluntários, como pais, dirigentes ou chefes, preparado e disponível para o desempenho de suas obrigações. O Grupo Escoteiro soma-se aos demais Grupos Escoteiros da União dos Escoteiros do Brasil para oferecer o Método e o Programa Educativo do Escotismo aos jovens de Joinville.


Luiz Cesar de Simas Horn (Miro)
07/2009


Grupo Escoteiro Príncipe de Joinville - 04/SC